Vegetariano ou Vegan ou Paleo?

E: Bom dia Xana, são 2 abatanados e 2 mil folhas cortados em diagonal.

X: Ok, podem sentar-se que eu levo lá fora (mentira, nós é que levamos)

… Na bela esplanada do belo Rossio de V.N Azeitão, no café que já pode muito bem ser chamado de “café do ciclista” onde a nossa iguaria e muitas vezes motivação para acelerar a volta ou treino é, o melhor mil folhas existente ao cimo da terra, quase sempre acompanhado de um abatanado ou de um chá verde e assim, neste cenário desenvolvem-se diálogos interessantes, projectos e desenham-se épicas aventuras.

Praça do Rossio, Vila Nogueira de Azeitão

E então começa a conversa…

D: É verdade já faz praí uns 6 meses que aderiste ao vegetarianismo?

E: Semi-vegetarianismo sff… ou como por aí se chama agora, flexitarianismo, looool…

D: Ok que seja, é verdade, já te vi comer bifanas entretanto. Como é que te estás a dar com isso, e a relação desses novos hábitos com o desporto?

E: Nunca me senti tão bem! Nunca recuperei tão bem! Não me lembro de passar um inverno sem apanhar uma gripe. Está bem que este ainda não acabou, mas até agora nem um resfriado.

D: Excelente! De que forma é composta a tua dieta?

E: Antes demais, devo dizer que adoptei este comportamento alimentar de uma forma cuidada, ponderada, com alguns conhecimentos, sem extremismos e penso ser uma dieta equilibrada. Somos omnívoros, mas também acho que somos “frugívoros”. Vi e li muito documentário, mas sempre considerando que por vezes esses meios podem ser nocivos, num mundo capitalista, dominado pelas grandes indústrias, que nos servem aquilo que eles bem entendem.

Na minha ideia estamos na era dos desequilíbrios, dos exageros. Não sou completamente a favor do veganismo e muito menos do paleo, contudo respeito, mas começo a ver que isto está a ficar como a guerra entre religiões, andam todos à porrada… e pronto o fanatismo e a loucura chegou ao modo de como nos alimentamos.

 

Da minha dieta retirei aquilo que acredito não nos fazer bem algum, antes pelo contrário. Retirei os produtos lácteos (excepto o queijo), a carne e os ovos (uso claras nas panquecas). O resto mantive. Aumentei o consumo de leguminosas e oleoginosas. Nos hidratos, por ordem de preferência consumo o arroz, batata, massa e pão escuro, quanto aos de assimilação rápida, compotas, speculoos, marmelada, goiabada e pasta de cacau. Como substituto do leite, bebida de Arroz e amêndoa. Consumo também panquecas de aveia. Como peixe moderamente e não digo que não (de vez em quando) a um cozido à Portuguesa, feijoada à transmontana ou mão de vaca com grão… se abdicasse disto iria sentir que tinha abdicado de ser Português.

Bebo 1,5 a 2 lts de água por dia, como cerca de 6 a 7 peças de fruta, bebo café, chá, vinho e cerveja.

Basicamente é isto, haaa e em todos os meus pratos vêm sempre vegetais verdes!!! Bróculos, ervilhas ou feijão verde de preferência.

D: Ok e onde vais buscar a tua proteína?

E: Acho que esta coisa da proteína e das quantidades exageradas que recomendam é uma bela treta e de facto comprovei isso com esta alimentação. Não tomo suplementos de proteína. Apenas e vou buscar proteína em tudo o que referi mais acima. Acho e penso ser dado como certo que a proteína vegetal é a proteína no seu estado puro, logo processamos-la melhor. Ervilhas e leguminosas (feijões e grão) são excelentes fontes de proteína, entre outros.

D: Tomas alguns suplementos para suprir quaisquer carências? Cálcio, ferro etc etc…

E: Tomo um multivitamínico diário, mas isso já o faço desde há muito, dessa forma garanto que nalguns dias mais “vazios” em termos nutritivos, mantenho as necessidades vitamínicas e minerais niveladas… Mas à alimentação vou buscar muito daquilo que preciso. Existe um mineral em carência na nossa alimentação e muito importante, o Iodo, 150 microgramas dia e mantém a nossa glândula da tireoide saudável.

Em relação a outros suplementos, barras, géis, isotónico, recuperador em determinadas fases/alturas, enquadrados com os momentos do treino.

Acima de tudo acho que é preciso ponderação e equilíbrio. Se ontem eramos daqueles que comiam tudo e mais alguma coisa, hoje não podemos por e simplesmente ser Vegans. Acho que pode representar um choque para organismo. Vejo com bons olhos deixar a carne, mas também não vejo mal nenhum em quem adoptou esse comportamento, e de longe a longe, por falta de opção ou até por vontade, comer carne, não é isso que irá fazer mal. Mas constantemente acho que sim e poderá ser a razão de muitos males e doenças.

Tenho pena que os médicos tenham muito pouca ou até nenhuma formação em nutrição. Faço uma pequena ideia da quantidade de doenças que não podem ser evitadas e/ou combatidas com a alimentação, mas lá está, isso abalaria uma industria muito poderosa… que vive à custa das doenças na humanidade…Tem o seu papel importante, sem dúvida, mas acho que o lado escuro é tão maior que os torna carrascos e não curandeiros. Mas isso são outros 500…

O ditado “tu és aquilo que comes” nunca fez tanto sentido para mim… e no mundo do desporto das bicicletas se calhar aplica-se (nos casos de limpinho limpinho) “Tu andas conforme o que comes”…

D: Ok. Queres mais um mil folhas? Dividimos?

E: Venha mais um…